Mais de 100 mil pessoas já se recuperaram do coronavírus no mundo

Globo News 25/03/2020 Relatar Quero comentar

O mundo todo está vivendo um verdeiro caos devido a pandemia do Covid-19, o novo coronavírus, ale´m do risco real de morte pela doença, a cobertura massiva da mídia, e o enfase nos mortos, está deixando a população em pânico.

Além das vítimas fatais, logo enfrenteremos os 'efeitos colaterais' na economia com o pais praticamente parado.

O número de desempregados deve aumentar, o número de arrombamentos e invasões também deve aumentar uma vez que muitos que ja tenham uma tendência a cometer delitos vão se sentir tentados pela dificuldade. E também o número expressivo de pequenos empresários que deve 'quebrar'.

Mas nem tudo são más notícias.

Um matéria recente divulgada pelo R7, aponta que mais de 100 mil pessoas ao redor do mundo que se contaminaram pelo coronavírus estão curadas.

No total, 102.972 pessoas já se recuperaram da covid-19 - doença causada pelo novo coronavírus Sars-COV-2 - em 169 países, de acordo com um levantamento feito pela universidade Johns Hopkins, em Maryland, nos Estados Unidos.

A província de Hubei, na China, tem 60.323 cidadãos recuperados. A cidade de Wuhan, sua capital, foi o local de origem e epicentro do novo coronavírus.

Na última sexta-feira (20), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a cidade de Wuhan é “esperança para o mundo”, depois não ter registrado novos casos da doença um dia antes. 

A quarentena na China acabou e os cidadões voltam a recuperar suas vidas normais. Agora eles devem voltar a produzir insumos e enviar ao resto do mundo, como máscaras e equipamentos de proteção.

Os estudos de vacinas contra o vírus está avançado no pais chines e cientistas acreditam que em alguns meses a vacina deve estar pronta para uso em pacientes em todos os lugares.

Na maioria dos países, o número de recuperados supera o de mortos por covid-19. Em entrevista ao R7, o infectologista Hélio Bacha, do Hospital Israelita Albert  Einstein, em São Paulo, disse que a grande maioria dos infectados pela doença, não necessitarão de internação e só serão orientados a ficar em casa de quarententena com isolamento social.

“Como 80% dos casos de covid-19 são benignos, a maior parte das pessoas têm indicação de isolamento domiciliar, pois elas não precisam de ventilação, medicação intravenosa ou cuidados mais complexos”, explicou.

Comentário do usuário